You are here

Começa a Zona de Convergência de Umidade na primavera

A semana começa com fortes temporais entre AM, RR, AC, no centro-norte de RO, no centro-oeste do PA e noroeste do MT associadas às baixas pressões oriundas dos furacões do Oceano Atlânticos que alimentaram a Amazônia com muita umidade nas últimas semanas.

A Zona de Convergência de Umidade possibilitará para os próximos dias, a ocorrência de chuvas intensas no período da tarde ao anoitecer entre o RS, SC, PR, centro-sul e leste do MT, de GO, de SP e Triângulo Mineiro. No litoral e zona da mata de SE  e do leste do RN, o tempo estará instável devido a borda da ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) com 1029 hPa, que poderá chover de forma fraca e isolada em parte do ES e no Recôncavo Baiano mais afastado da costa.

Furacões Maria e Lee no Oceano Atlântico
Baixas pressões (Amazônia)

Durante as últimas semanas os furacões Maria e José, que se formaram no Oceano Atlântico e na ZCIT (Zona de Convergência Intertropical) contribuíram para os grandes acumulados de chuva na Amazônia. Estas baixas pressões desceram em direção à região sudeste alinhadas ao corredor de umidade (Zona de Convergência). Desta forma, observadas nos modelos GFS, indicam um sistema de baixa pressão (cavado) com 1002 hPa sobre a costa do PR, SP e RJ que poderá ocasionar linhas de instabilidade muito fortes e poderão vir acompanhadas de descargas elétricas, vendavais e queda de granizo associadas ao calor e umidade das localidades já mencionadas. Pode ser considerada como a primeira anomalia do Oceano Atlântico na primavera de 2017. Como ocorreu em 21/08/2016, ainda no inverno e no final da Olimpíada no RJ, quando uma depressão subtropical provocou ventos de até 170 km/h e causou muita destruição entre os estados de SP e RJ na época, sem qualquer notificação dos órgão oficiais (Marinha do Brasil).

Todos os modelos GFS, NOAA, GEM, NAVAGEM, INMET e BRAMS confirmam grandes acumulados de chuvas entre o sul (RS, SC e PR), centro-oeste e sudeste do Brasil (SP, MG, RJ), devido a áreas de baixas pressões (cavado) em 500 hPa entre os dias 29/09 e 03/10.

Atenção Modelo GFS
Zona de Convergência, 29 a 07/10;

Atenção Modelo GFS
Zona de Convergência, 29 a 03/10;

INMET-01/10

Modelo GFS – 01/10

Modelos GFS – 03/10

Entre os dias 29/09 e 05/10 as áreas de chuvas devem se intensificar gerando tempestades talvez severas no centro-sul brasileiro e sudeste, associadas ao canal de umidade (ZONA DE CONVERGÊNCIA DE UMIDADE). Os modelos GFS estão coerentes com grandes acumulados sobre estas regiões e indicam forte instabilidade e risco para descargas elétricas e queda de granizo associados ao calor e umidade.

Atenção para baixas temperaturas:

As mínimas cairão no centro-sul do país, principalmente no sul e sudoeste de MS, oeste da região sul e grande parte do RS. As temperaturas máximas serão na região sul, SP, MS e sul de MT. Em geral, os modelos GFS apresentam chuvas mais intensas entre as regiões do centro-oeste e sudeste.

INMTE-CHUVAS INTENSAS

Área afetada para 560 municípios do RS e SC:
Campanha, Oeste Catarinense, Grande Florianópolis, Planalto Sul Catarinense, Litoral Sul Catarinense, Encosta do Sudeste, Serra do Sudeste, Depressão Central, Encosta Inferior do Nordeste, Encosta Superior do Nordeste, Campos de Cima da Serra, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Litoral Gaúcho.

Área afetada para 1074 municípios do PR e SC:
Planalto Norte Catarinense, Campanha, Metropolitana De Curitiba, Oeste Catarinense, Vale do Itajai, Grande Florianópolis, Planalto Sul Catarinense, Litoral Sul Catarinense, Depressão Central, Encosta Inferior do Nordeste, Encosta Superior do Nordeste, Campos De Cima da Serra, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Central Paranaense, Litoral Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sudoeste Paranaense, Sul Paranaense, Litoral Gaúcho, Meio-Oeste Catarinense, Litoral Norte Catarinense.

Área afetada para 35 municípios de MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Sul e Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense.

Área afetada para 370 municípios de SP e MS:
Aviso para as áreas: Leste Sul-Mato-Grossense, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Ribeirao Preto, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul E Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense

Área afetada para 255 municípios de MG:
Triangulo Mineiro/Alto Paranaíba, Zona da Mata Mineira, Campo das Vertentes de Minas, Oeste Mineiro, Sul/Sudoeste Mineiro.

Risco potenciais: Modelos INMET e GFS
Chuva entre 20 e 30 mm/h ou até 50/100 mm/dia, ventos intensos (60 a 100 km/h) e queda de granizo. Risco para corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de galhos de árvores e de alagamentos.

Instruções:
– Não se abrigue debaixo de árvores, pois há riscos de quedas.
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados em local protegido.
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
– Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Avisos de Ressaca, Marinha do Brasil, RJ:

ÁREA BRAVO
AVISO NR 1047/2017
AVISO DE MAR GROSSO
EMITIDO ÀS 1430 HMG-TER-26/SET/2017
ÁREA BRAVO E ÁREA CHARLIE AO SUL DE 26S
A PARTIR DE 282100 HMG. ONDAS DE S/SE 3.0/4.0 METROS.
VÁLIDO ATÉ 300000 HMG.

AVISO NR 1063/2017
AVISO DE VENTO FORTE/MUITO FORTE
EMITIDO ÀS 1200 HMG-SEX-29/SET/2017
ÁREA BRAVO A PARTIR DE 291200 HMG.
VENTO SE/NE RONDANDO PARA NE/NW

FORÇA 7/8 COM RAJADAS FORÇA 9/10.
VÁLIDO ATÉ 020000 HMG.
ESTE AVISO SUBSTITUI O AVISO NR 1051/2017.
AVISO NR 1064/2017
AVISO DE MAR GROSSO/MUITO GROSSO
EMITIDO ÀS 1200 HMG – SEX – 29/SET/2017
ÁREA BRAVO A PARTIR DE 300000 HMG.
ONDAS DE SE/NE 3.0/5.0 METROS.
VÁLIDO ATÉ 020000 HMG.
ESTE AVISO SUBSTITUI O AVISO NR 1059/2017.

ÁREA CHARLIE
AVISO NR 1047/2017
AVISO DE MAR GROSSO
EMITIDO ÀS 1430 HMG-TER-26/SET/2017
ÁREA BRAVO E ÁREA CHARLIE AO SUL DE 26S
A PARTIR DE 282100 HMG. ONDAS DE S/SE 3.0/4.0 METROS.
VÁLIDO ATÉ 300000 HMG.

AVISO NR 1054/2017
AVISO DE RESSACA
EMITIDO ÀS 1430 HMG-QUA-27/SET/2017
RESSACA ENTRE MOSTARDAS (RS) E IMBITUBA (SC).
A PARTIR DE 291200 HMG. ONDAS DE SE/E 2.5 METROS.
VÁLIDO ATÉ 301200 HMG.

AVISO NR 1056/2017
AVISO DE VENTO FORTE
EMITIDO ÀS 1300 HMG-QUI-28/SET/2017
ÁREA CHARLIE A PARTIR DE 301200 HMG.
VENTO NE/N FORÇA 7 COM RAJADAS FORÇA 8.
VÁLIDO ATÉ 011200 HMG.

Predições/Estimativas da semana:

Atenção (RJ), primeira rodada:
Modelos GFS foram unânimes para risco de temporais entre o sul de MG e RJ (região Serrana) incluindo a capital. No final da tarde e anoitecer do dia (28/09), tempestades ocorreram em MG (Juiz de Fora) e Região Serrana do RJ, associadas ao canal de umidade (Zona de Convergência de Umidade);

Sexta-feira, (29/09), uma área de baixa pressão (CAVADO) estará se formando entre a costa do sudeste podendo causar acumulados significativos de precipitação devido a atuação da Zona de Convergência de Umidade, com chuvas de até 100 mm/h, conforme todos os modelos GFS indicam.

Atenção, declínio de temperatura:
Entre sexta-feira e sábado, as temperaturas irão declinar em parte do centro-sul do Brasil, incluindo o leste de SP, devido a atuação do cavado e as instabilidades provocadas por ele;

Sábado (30/09), área de baixa pressão desorganizada na região dos subtrópicos entre PR, SP e RJ. Os modelos são coerentes com relação ao volumes de chuva e risco para a formação de nuvens convectivas (Cumulonimbus de grande crescimento vertical), que poderão causar tempestades severas sobre as regiões do centro-oeste, sul e sudeste do país. O tempo permanecerá nublado com temperaturas amenas e com pancadas de chuvas localmente forte;

ATENÇÃO (SP, RJ e MG), segunda rodada:

Domingo (01 e 2/10), centro de baixa pressão começa a se organizar afastado da costa e ganha as características de extratropical baixando seu centro para 995 hPa. São possíveis grandes acumulados seguidos das linhas de instabilidade devido ao centro ciclônico na costa acompanhadas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo. Modelos GFS e INMET apresentam acumulados acima da média (Zona de Convergência de Umidade) que estará presente nas regiões norte, centro-oeste e sudeste do país;

Segunda-feira (02/10), nova área de instabilidade (cavado) com 996 hPa sobre o continente, entre os países vizinhos e sul do Brasil. Risco para TEMPESTADES SEVERAS que avançarão para SP e RJ acompanhadas de chuva forte, descargas elétricas, vendavais e queda de granizo associadas ao calor e umidade;

Terceira rodada: frente fria e o canal de umidade se desloca do Paraguai e sul do Brasil em direção à região sudeste, criando condições para TEMPO SEVERO devido às “linhas de instabilidade”, que poderão ocasionar chuva muito forte, acompanhada de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h, queda de granizo associada as nuvens convectivas e não se descarta chance para formação de “tornados”.

Terça-feira (03/10), frente-fria e Zona de Convergência de Umidade se intensificam, linhas de instabilidades intensas entre o leste de SP, RJ, leste de MG, de GO. As temperaturas voltam a cair.

Quarta-feira (04/10), risco para tempestades SEVERAS associadas ao arco da frente-fria do ciclone extratropical no mar, afastado da costa, e canal de umidade da Amazônia (ZONA DE CONVERGÊNCIA) poderão causar chuvas intensas, acompanhadas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo associado ao calor e umidade;

Quinta-feira (05 e 06/10), Sol entre nuvens na capital do RJ e no período da tarde. Chance para chuvas de forma isolada e fraca entre o sul do estado do RJ (Costa Verde, região serrana e norte, sul de MG (Juiz de Fora). ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) com 1035 hPa, segundo as modelagens GFS europeu;

Sexta-feira, (07/10), muitas discordâncias nos modelos GFS devido a área de baixa pressão após o último final de semana, indicam a formação de um possível cavado ou frente estacionária que poderá causar temporais no Sul do Brasil entre RS e SC divisa com os países vizinhos (Argentina, Paraguai e Uruguai);

Sábado (08/10), as temperaturas voltam a subir devido a atuação da ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) com 1030 hPa, ocasionando chuva fraca e isolada no ES e Recôncavo Baiano devido ao fluxo de leste ou borda da ASAS;

Atenção para os países vizinhos Uruguai, Argentina e RS:

Nova rodada dos modelos GFS, BRAMS, CMC, indicam a intensificação de chuvas entre países vizinhos, divisa com RS, devido a cavado (área de baixa pressão) nos níveis médios que poderão causar tempestades severas, podendo virem acompanhadas de chuva forte, descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e queda de granizo, devido as nuvens convectivas;

Fonte de pesquisa: NOAA, GFS, GEM, NAVAGEM, CMC, INMET, INPE (BRAMS), Windyty e Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta

Top