You are here
Home > Cultura

O Papa Francisco reza diante do Cristo Negro de Bojayá

Villavicêncio, 08 set 2018 (Ecclesia) – O Papa presidiu hoje à “grande vigília” de oração pela reconciliação nacional da Colômbia, na localidade oriental de Villavicêncio, na presença de 6 mil vítimas do conflito armado.

“O ódio não tem a última palavra”, disse Francisco, depois de ouvir, com a multidão, os testemunhos de pessoas atingidas pela guerra civil das últimas década e de ex-combatentes.

O Papa pediu que a “justiça, verdade e misericórdia” se sobreponham à “vingança” para respeitar a “história de dor da Colômbia”.

“É hora para desativar os ódios, renunciar às vinganças, e abrir-se à convivência baseada na justiça, na verdade, na criação de um verdadeiro encontro fraterno”, defendeu.

Francisco disse que quis estar “perto” e ver estas pessoas “olhos nos olhos”, em memória de “milhares de vítimas inocentes” e da dor dos seus familiares, recordando “feridas que custam a cicatrizar”.

“Rezemos juntos, perdoemo-nos. Eu também tenho de pedir perdão”, apelou.

A celebração, que reuniu milhares de pessoas no Parque Las Malocas, cerca de 120 km a sudeste de Bogotá, capital colombiana, evocou o sofrimento das famílias e comunidades afetadas pelo conflito, “marcado pelo sangue e a dor de mais de 8 milhões de vítimas”.

Em causa estão “984 507 homicídios, 166 407 desaparecidos, 16 340 assassinatos seletivos, 1982 massacres, 35 092 sequestrados, 19 684 vítimas da violência sexual, 6421 casos de recrutamento forçado e 12 000 amputados”.

A cerimónia de oração, com vários gestos pela paz, incluiu testemunhos de várias vítimas: Juan Carlos Murcia Perdomo, antigo combatente das FARC, que perdeu a mão esquerda; Deisy Sanchez Rey, recrutada pelas ‘Autodefesas Unidas da Colômbia’; Luz Dary Landazury, vítima do conflito, atingida por uma mina; e Pastora Mira García, que viu serem assassinados o seu pai, o seu primeiro marido, a sua filha, que encontrou apenas 7 anos a morte, e o seu filho mais novo.

Perante as palmas da multidão, visivelmente emocionada, Pastora Mira pediu o fim do “ciclo de violência” na Colômbia, e depositou junto da imagem do Cristo negro de Bojayá, sem pernas nem braços, uma camisa do seu filho que lhe tinha sido oferecida pela irmã.

O Cristo mutilado veio de uma igreja onde foram massacradas dezenas de pessoas.

Francisco mostrou-se comovido com histórias de “amor e perdão” e rezou pela restauração da “paz e da concórdia” no país.

“A violência gera violência, o ódio gera mais ódio e a morte mais morte. Temos de romper este ciclo e isso apenas é possível com o perdão e a reconciliação concreta”, sustentou.

Evocando a experiência dos ex-combatentes, o Papa sublinhou que “não se pode viver do rancor, só o amor liberta e constrói”.

“Todos somos vítimas, inocentes ou culpados, mas todos vítimas, de um lado e do outro, todos unidos na perda de humanidade que implicam a violência e a morte”, precisou.

A intervenção concluiu-se com uma oração diante do Cristo negro de Bojayá.

A 20ª viagem internacional do pontificado começou esta quarta-feira; o Papa regressa a Roma na tarde de domingo, estando a chegada à capital italiana prevista para as 12h40 (menos uma em Lisboa) de segunda-feira.

O papa Francisco abraça uma das vítimas que ofereceu seus testemunhos de reconciliação e perdão em uma multidão de público em Villavicencio.
Villavicencio – sexta-feira, 8 de setembro de 2017 Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

As vítimas do conflito armado com as FARC que atingiram a Colômbia durante mais de 5 décadas se abraçaram em um gesto de reconciliação e perdão, liderado pelo papa Francisco.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

O Papa Francisco reza diante do Cristo Negro de Bojayá, mutilado por uma ação no desenvolvimento do conflito armado na Colômbia.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

Cristo é quebrantado e amputado, para nós é ainda mais Cristo ainda !, porque nos mostra mais uma vez que Ele sofreu por Seu povo e Seu povo “, disse o Papa Francisco durante um dia de perdão de perdão e reconciliação.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

“Com a ajuda de Cristo vivo, no meio da comunidade é possível superar o ódio, é possível vencer a morte, é possível começar de novo e acender uma nova Colômbia”, disse o Papa Bento XVI em um dia de reconciliação e perdão.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

“Não perca a paz pela joia. Que o triunfo da paz na Colômbia “, perguntou o papa Francisco antes dos colombianos em Villavicencio
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

Minuto de silêncio antes da Cruz da Reconciliação, no Parque dos Liberadores de Villavicencio, monumento que inscreveu nomes de vítimas do conflito.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

O Santo Padre pede duas garotas para ajudá-lo a semear a Árvore da Vida, em Villavicencio, como símbolo de paz e reconciliação com a natureza.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

Com a ajuda de menores, o Papa Francisco planta , o Árbol da Vida em Villavicencio, como parte de um problema de reconciliação com a natureza..
Villavicencio Foto: Efraín Herrera – SIG

Doação

Minuto de silêncio antes da Cruz da Reconciliação, no Parque dos Liberadores de Villavicencio, monumento que inscreveu nomes de vítimas do conflito.
Villavicencio – Foto: Efraín Herrera – SIG

Deixe uma resposta

Top