You are here

Recorde de temperaturas e chuvas marcam o final da estação entre o Sul e Sudeste

Nesta sexta-feira, (24/02), ainda haverá o predomínio do anticiclone VCAN (Vórtice Ciclônico de Altos Níveis) e o anticiclone ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) entre a camada média e baixa da troposfera, principalmente entre os níveis de 500 hPa em superfície manteve o tempo mais seco em grande parte do centro-leste do país durante a semana. Desta forma, os dias permaneceram com temperaturas elevadas, com pouca precipitação em grande parte da Regiões Sudeste e Sul, e as chuvas de verão ocorreram de forma isolada e passageira. Os valores de umidade relativa estando mais baixos, favoreceram os valores de temperaturas máximas com recordes em diversos pontos de SP, RJ, MG e Sul do Brasil nos últimos dias.

No decorrer desta sexta-feira, a tendência é que o cavado não-frontal visto principalmente no campo de 500 hPa se desloque em direção ao Sudeste, aumentando a condição de instabilidade em áreas de SC, PR e SP. Com este avanço, há indicativos da formação de uma área de baixa pressão à leste de SP, que de certa forma, reforça a convergência de umidade em direção ao continente.
Entretanto, este cavado frontal será importante talvez para os próximos dias (26, 27, 28/02 e 01/03). Simultaneamente, a VCAN, avançará no sentido leste-oeste em direção ao interior do continente. Este sistema estará centrado um pouco mais ao norte em relação ao último. Nos dias subsequentes, adentrará mais ao continente e seu centro inibirá a instabilidade em parte do interior do Nordeste. Por outro lado, levará instabilidade para parte do interior e norte do país. Com isto, as chuvas mais significativas deverão voltar a partir do final de fevereiro e início de março na Região Sudeste.
 ATENÇÃO ZCAS
 ALERTA para ZCAS
(Zona de Convergência do Atlântico Sul)
 A partir do dia (26 e 27/02) e os primeiros dias do mês de março, um cavado secundário (baixa pressão) reforçará e instabilizará parte da Região Sudeste e Sul do país que poderá causar tempestades severas associadas às linhas de instabilidades (LI) e poderão vir acompanhadas de chuvas intensas de 100 mm/h, de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h, queda de granizo associada ao calor e a umidade do país.
Inclusive, nas observações de hoje, há uma tendência de formação de um centro ciclônico sobre o continente em 500 hPa. Este padrão reforçará a convergência de umidade, que se organiza melhor e indica a formação da Zona de Convergência a partir do dia (25 à 01/03), ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul), por divergências nos modelos e de curta duração.
INMETPerigo Potencial a partir de (26/02)
Área afetadas para 191 municípios de MG:
Triangulo Mineiro/Alto Paranaíba, Campo Das Vertentes de Minas, Oeste Mineiro, Sul/Sudoeste Mineiro.
 
Área afetadas para 186 municípios de SP:
Campinas, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Itapetininga, Sorocaba/Bragança Paulista, Vale do Paraíba/Litoral Norte, Metropolitana de São Paulo, Litoral Sul/Baixada Santista/Vale do Ribeira, Presidente Prudente/Marília/Assis.
 
Área afetadas para 340 municípios de PR:
Metropolitana De Curitiba, Central Paranaense, Litoral Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sul Paranaense.
 
Área afetadas para 539 municípios de SP e MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Campinas, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Ribeirão Preto, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Sorocaba/Bragança Paulista, Vale do Paraíba/Litoral Norte, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul e Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense, Serra Da Mantiqueira.
Riscos potenciais de 25 à 27/02:
 
Risco de corte de energia elétrica, risco de queda de galhos de árvores e leves alagamentos. Ventos intensos 11-16 m/s (40-60 Km/h), Chuva entre 30 e 60 mm/h ou até 150 mm/dia.
 
Instruções:
 
– Não se abrigue debaixo de árvores, pois há riscos de quedas.
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido.
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
– Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).
Predições/Estimativas da Semana RJ:

Finalmente os modelos chegaram ao consenso sobre o tempo durante o carnaval do RJ. Como já era esperado, ECMWF, GFS, CMC, ETA, GLOBAL-CPTEC e GEM projetam saída lenta do ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) que começa a ceder (temporariamente) e dará lugar ao cavado a partir de amanhã com formação da ZCAS. A chegada desta frente fria será neste final de semana (sábado-26/02), e haverá o estabelecimento de um centro ciclônico (baixa pressão) com 1009 hPa entre PR, SP e RJ.

Sexta-feira, (24/02) -Ainda ensolarado e muito quente. Vagas pluviosas vindas de SP podem se expandir e atingir o grande Rio no fim da tarde, mas esse risco é baixo. Possivelmente só vão até o Sul do estado, Região Serrana e dos Lagos.

ATENÇÃO ZCAS

Sábado, (25/02) – Sol, calor forte de manhã, mas as nuvens aumentam a tarde e tempestades podem sacudir quase todo o estado a partir do fim da tarde (situação depressionária);

Domingo, (26/02) – Os modelos divergem com a chegada da frente fria, são possíveis ligeiras aberturas de sol e gerar uma forte onda de calor e recorde nas temperaturas. As tempestades vespertinas voltam com muita força no período da tarde e podem causar prejuízos.

Segunda-feira (27/02) – Divergências nos modelos, chuvas poderão se concentrar na região Sul do estado, Serrana e dos Lagos (RJ) associadas ao cavado em 500 hPa e novas tempestades severas podem ocorrer no período da tarde e madrugada no desfile do Grupo Especial do Rio;

Terça-feira, (28/02) – último dia do mês de Fevereiro com sol, muitas nuvens e possibilidades de fortes tempestades.

Quarta-feira, (01/03) – Centro ciclônico (baixa pressão) com 1009 hPa na costa do RJ aumentam os riscos para tempestades severas sobre os estados do Sudeste e grandes volumes podem se concretizar trazendo prejuízos.

Quinta-feira, (02/03) – ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) aumenta novamente e o tempo não será totalmente seco. Existe risco de tempestades isoladas e irregulares à tarde.

Sexta-feira, (03/03) – Por divergências nos modelos, situações depressionárias poderiam voltar a acontecer e novos episódios de chuvas intensas podem marcar o regresso das águas de março que há tanto tempo não se via, mas fica a confirmar.

Colaboração do Professor Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima.
Fonte de pesquisa: NOAA/National Hurricane Center (NHC- EUA), GFS, GEM, NAVAGEM, CMC, INMET, INPE, Windyty, Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta

Top