You are here

Bloqueio atmosférico ASAS ganha força entre o Sul e Sudeste do Brasil e chuvas diminuem drasticamente

No decorrer deste domingo, 12/02, um cavado secundário em 500 hPa manterá as condições para tempestades no norte e nordeste da Argentina e em áreas de fronteira do Paraguai, além de MS e parte da Região Sul do Brasil. A Alta da Bolívia (AB) atuará em direção ao Centro-Oeste, assim como a convergência em baixos níveis contribuirá para pancadas de chuva forte em parte de GO e de MT, em TO, PA, MA e PI, sendo que no litoral do PA, do MA e do PI, a convergência de umidade associada aos alísios (ZCIT) e baixa pressão com 1004 hPa entre o RS poderá ser menos intensa e reforçará as chuvas nas próximas 72 h até dia (14/02).

Modelos GFS e ECMWF indicam o fortalecimento da ASAS sobre as região Sudeste e concentração de chuvas pesadas associadas ao corredor de umidade ZCIT (Zona de Convergência Intertropical), (ventos alísios),  ou mesmo uma nova rodada da ZCOU (Zona de Convergência de Umidade) por curta duração, havendo divergência nos modelos, nas regiões do Norte e Centro-Oeste. A Depressão Extratropical com 1004 hPa a princípio, poderá causar mar de ressaca e ventos costeiros, talvez de até 100 km/h, no Sudeste, entre os dias 12 à 15/02.

Os modelos GFS confirmam, o sul do Brasil e parte do Centro-Oeste vão ficar sobre influências de baixas pressões. Linhas de instabilidades (SCM/CCM) podem causar tempestades severas sobre estas regiões, enquanto o PR e o SE do Brasil vão novamente receber a ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul), que não significa o fim das chuvas no RJ, porque o centro da ASAS em superfície vai ficar a 35°S podendo chegar até 1030 hPa. Assim, o RJ vai ficar próximo à borda  e pequenos núcleos de chuva do “retorno de leste” vão chegar ao litoral do estado, sendo mais comuns no litoral norte (baixa probabilidade) e talvez cheguem à Região Metropolitana e Serrana. O fluxo deve se orientar para E-NE e portanto o calor deve ser muito forte à tarde, mas não canicular (o núcleo de calor mais forte deve ficar afastado em MG e SP).

Os modelos indicam diminuição da chuva a partir de (15/02) entre os estados do RJ, MG e SP. ASAS se intensifica pelos modelos GFS e influenciará o continente tornando as condições para chuva muito baixas e com calor muito forte.

Modelos GFS chuvas intensas de até 300 mm.

INMET

Informes para tempestades e potencial de perigo para regiões Norte, Centro-Oeste e Sul do Brasil.
Área afetada para 63 municípios do MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Sul E Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense.
 
Área afetada para 434 municípios de TO, MS, MT, GO, RO:
Distrito Federal, Sudoeste Rondonense, Alto Madeira, Centro-Sul Mato-Grossense, Nordeste Mato-Grossense, Norte Mato-Grossense, Sudeste Mato-Grossense, Sudoeste Mato-Grossense, Centro Goiano, Leste Goiano, Sul Goiano, Norte Goiano, Noroeste Goiano, Jalapão, Norte Tocantinense, Sudeste Tocantinense, Sul Tocantinense, Oeste Tocantinense, Centro Tocantinense, Sudeste Rondonense.
 
Área afetada para 336 municípios entre PA e MA:
Nordeste Paraense, Sudeste Paraense, Marajó, Baixo Amazonas, Sudoeste Paraense, Metropolitana de Belém, Oeste Maranhense, Leste Maranhense, Norte Maranhense, Sul Maranhense, Centro Maranhense.
 
Área afetada para 812 municípios entre o RS, SC e PR:
Planalto Norte Catarinense, Campanha, Oeste Catarinense, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis, Planalto Sul Catarinense, Litoral Sul Catarinense, Depressão Central, Encosta Inferior do Nordeste, Encosta Superior do Nordeste, Campos de Cima da Serra, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Central Paranaense, Norte Paranaense, Oeste Paranaense, Sudoeste Paranaense, Sul Paranaense, Litoral Sul/Baixada Santista/Vale do Ribeira, Litoral Gaúcho, Meio-Oeste Catarinense, Litoral Norte Catarinense.
Área afetada para 108 municípios do RS:
Campanha, Encosta Do Sudeste, Serra Do Sudeste, Depressão Central, Encosta Inferior Do Nordeste, Planalto Médio, Litoral Gaúcho.
Avisos para riscos a partir de 12/02/2017, às 00:00h: quebra de vidros e risco de queda de galhos de árvores, alagamentos, incidência de descargas elétricas e granizo. Ventos de 100 km/h, chuvas intensas entre 30 e 60 mm/h ou entre 50 a 300 mm/dia e granizo.
Instruções:
– Abrigue-se da chuva torrencial que poderá estar acompanhada de granizo e causar inundações.
 
– Não se abrigue debaixo de árvores, nem em frágeis coberturas metálicas, pois há riscos de quedas.
 
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia e o gás.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido.
 
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
 
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
 
Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

ATENÇÃO para RR e AM

Domingo, 12/02 à 22/02 – Baixas pressões se intensificam sobre estas regiões associadas à  ZCIT (Zona de convergência Intertropical), ventos alísios, poderão causar enchentes, deslizamentos de terra associados aos grandes volumes de chuvas de até 300 mm/d, acompanhadas de descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e eventual queda de granizo associada ao calor e a umidade.

Predições/Estimativas da semana RJ:

Sábado e Domingo, 12/02 – O retorno de leste sobe e o risco de chuva no RJ deve ser menor. Faz muito calor, mas alguma das poucas nuvens vindas do mar podem ser carregadas e ocasionar pancadas de chuva localizadas;

Segunda-feira, 13/02 – ASAS se fortalece e começa a migrar para o continente. Fluxo de E-NE, altas temperaturas e possivelmente sem chuva no RJ;

Terça e Quarta-feira, 14 e 15/02 – ASAS chega ao RJ, seu centro em 6.000 m (escala colorida no mapa) entra no RJ e limita a formação de tempestades, mas o centro em superfície bem deslocado para o sul traz nuvens baixas capazes de provocar algumas pancadas, principalmente no litoral norte do estado;

Quinta e Sexta-feira, 16 e 17/02 – ASAS começa a enfraquecer, pode diminuir os risco das chuvas do retorno de leste, apesar do fluxo continuar em E-NE ou NE.

Sábado, 18/02 – Fim de semana muito quente, chances para canículas aumentam com baixíssimo risco de chuvas no RJ e demais estados do Sudeste. Por divergências nos modelos, uma total cessação da ASAS e sua re-intensificação.

Domingo e Segunda-feira, 20/02 – Fluxo de leste se intensificam e a borda da ASAS pode provocar tempestades nas regiões litorâneas principalmente do Nordeste BA, ES, RJ e região Norte talvez.

Terça-feira, 22/02 (em diante) – Nova baixa pressão se forma entre Argentina, Uruguai divisa com o RS ou mesmo no Sudeste, divergências nos modelos. Linhas de instabilidades ganham força e condições de chuvas se intensificam sobre o país. Finalmente às chuvas podem voltar no Sudeste de forma regular.

Novos informes podem ser atualizados caso tenha mudanças significativas nos modelos GFS para as próximos dias.

Colaboração do Professor Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima.
Fonte de pesquisa: NOAA/National Hurricane Center (NHC- EUA), GFS, GEM, INMET, INPE, Windyty, WXBrasil, Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta

Top