You are here

Fevereiro será marcado por chuvas intensas, depressões e forte onda de calor entre o Sul e Sudeste

O final do mês de janeiro está sendo marcado por chuvas intensas no Sudeste associadas à formação da  Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que ocasionou pontos de alagamento entre os estados de SP (Santos, Campinas e Avaré) e MG (Uberlândia). Tempestades severas também ocorreram no RJ, entre as regiões Sul do estado, Serrana e capital até dia 29/01.

Novas linhas de instabilidades se formam sobre o país associadas à formação da Zona de Convergência de Umidade (ZCOU) ou mesmo a ZCAS , existem divergências nos modelos. O escoamento de umidade da Amazônia (baixas pressões), causará em médios e altos níveis a presença de cavados de onda curta que, combinados com o forte aquecimento em superfície, propiciarão condições para pancadas de chuva em grande parte do Brasil, principalmente a partir do período da tarde. Com temperaturas elevadas em todo o país, o potencial para ocorrência de temporais isolados permanecerá elevado. Em parte do litoral leste do Nordeste seguirá uma condição de chuvas fracas e isoladas. Em parte do litoral sul da BA, poderá chover acima da média. Os modelos apresentam uma distribuição espacial convergente da precipitação ao longo dos próximos dias, pois há uma grande distribuição das chuvas no país.

Os modelos ainda mantém as tendências vistas para o RJ nesta quinta-feira, 02/02. O enterrado (antônimo de cavado)e as ASAS (Alta Subtropical do Atlântico Sul) continuam atuando e limitando as chuvas na capital fluminense. Amanhã ele começa a enfraquecer, a alta no Chile se move para leste e muda o fluxo de ventos no RJ para leste. Esse fluxo deve trazer nuvens do oceano, que podem causar pancadas de chuvas intensas. Ainda está incerto se vão realmente provocar nuvens carregadas ou se ficarão dispersas na capital e nas regiões Sul, Serrana e Norte do estado. 

Existe riscos para inundações, enchentes ou deslizamentos de terra sobre todo o Centro-Oeste e Sudeste associada a formação da ZCOU (Zona de Convergência de Umidade) ou ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul), cuja principal característica é a ocorrência de chuvas por vários dias.

Nesta quinta-feira, (02/02), as ASAS começam a se afastar e até Domingo (05/02), um cavado de nível médio deve se manter sobre o SE, o que vai aumentar as nuvens e favorecer a formação de instabilidades que podem cair o dia todo na Região Serrana e talvez à tarde na capital e em Niterói.

Novo centro de baixa pressão (figura acima) com 998/1000 hPa entre a Argentina, Uruguai e RS entre os dias (04 à 06/02) deverá provocar tempestades severas sobre estas regiões que poderão causar chuvas volumosas, ventos acima de 100 km/h, descargas elétricas e eventual queda de granizo associado ao calor e umidade. Não se descarta chance para formação de Downburts (micro-explosão) por ter uma atmosfera ciclônica. Mar de ressaca com ondas de até 3 metros são possíveis, divergências nos modelos.

INMET– Perigo Potencial a partir de (o2/02).

Área afetadas para 617 municípios de MG:

Triangulo Mineiro/Alto Paranaíba, Central Mineira, Vale Do Rio Doce, Jequitinhonha, Metropolitana De Belo Horizonte, Zona Da Mata Mineira, Campo Das Vertentes De Minas, Norte Mineiro, Oeste Mineiro, Sul/Sudoeste Mineiro, Noroeste Mineiro.

Área afetadas para 606 municípios de SP e MS:
Leste Sul-Mato-Grossense, Campinas, Bauru/Araraquara/Piracicaba, Itapetininga, Ribeirão Preto, Araçatuba/São José Do Rio Preto, Sorocaba/Bragança Paulista, Vale Do Paraíba/Litoral Norte, Metropolitana De São Paulo, Litoral Sul/Baixada Santista/Vale Do Ribeira, Presidente Prudente/Marília/Assis, Sul E Sudoeste Sul-Mato-Grossense, Pantanal Sul-Mato-Grossense, Centro Norte Sul-Mato-Grossense, Serra Da Mantiqueira

Riscos potenciais para: 02 à 04/02.

Risco de corte de energia elétrica, risco de queda de galhos de árvores e leves alagamentos. Ventos intensos 11-16 m/s (40-60 Km/h), Chuva entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia.

Instruções:

– Não se abrigue debaixo de árvores, pois há riscos de quedas.
– Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia.
– Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido.
– Revise a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado.
– Não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda (risco de queda pelo vento).
– Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Predições/Estimativas para a semana:

Hoje, 02/02 – Tempo aberto, muito quente e baixo risco de tempestades. Se houver serão de forma isolada, mais para as regiões Sul do estado, Baixada Fluminense e pequenos núcleos na região Norte e dos Lagos.

Sexta-feira, 03/02– Muito quente, acima dos 40º graus, os ventos devem se tornar mais frescos no fim da tarde com a dissipação da ASAS e a alta chilena já no Atlântico. São possíveis algumas pancadas de chuva localmente fortes. Os modelos GFS seguem deslocando a baixa pressão frontal para Sudeste na sexta-feira (03/02) e para o oceano. A partir da sexta-feira (03/02), o modelo GFS tem apresentado maior volume de precipitação entre parte do RJ, do leste de MG e parte do ES.

Sábado, 04/02 – Sol entre nuvens, possibilidade de pancadas a qualquer hora vespertinas (maior risco na Região Serrana, Sul e dos Lagos) e temperaturas altas;

Atenção formação da ZCOU

Domingo, 05/02 – Aumenta as instabilidades devido ao cavado em médios níveis (mapa). O fluxo volta a ser de norte, mas úmido e o tempo deve ser muito nublado com risco de chuva a qualquer hora, principalmente no interior do estado. Tempestades são possíveis de ocorrerem sempre no período da tarde para o anoitecer associadas à formação da ZCOU;

Segunda e terça-feira, 06 e 07/02 – Avanço do sistema de baixa pressão para o mar no sul do Brasil e sua frente-fria poderá chegar no RJ proporcionando chuvas mais intensas. Linhas de instabilidades deverão se intensificar associadas à formação da ZCOU  ou mesmo da ZCAS. São previstos grandes volumes sobre todo o Centro-Oeste e Sudeste.

ATENÇÃO 2ª RODADA

Está sendo monitorada à formação de um forte centro de baixa pressão talvez tropical na costa brasileira que pode aumentar as chuvas em todo o RJ, MG, ES, BA até quarta-feira, (08 à 09/02). Por muitas divergências nos modelos GFS e se caso forem confirmadas estas possibilidades, as projeções futuras poderão ser atualizadas.

Colaboração do Professor Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima.
Fonte de pesquisa: NOAA/National Hurricane Center (NHC- EUA), GFS, GEM, NAVAGEM, INMET, INPE, Windyty, WXBrasil, Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta

Top