You are here
Home > Notícias

Moradores atingidos pelo rompimento da barragem do Fundão ainda não sabem quando serão indenizados pela Samarco

Moradores de Bento Rodrigues, Paracatu e Gesteira, distritos de Mariana (MG) devastados pela lama de rejeitos que se espalhou quando se rompeu a barragem de Fundão, ainda não sabem quando serão indenizados pelas perdas. A tragédia ambiental considerada a maior do país completa um ano neste sábado (5). Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), os valores indenizatórios serão decididos na Justiça.

Para garantir um amparo mínimo aos atingidos, o MPMG acionou judicialmente a mineradora Samarco, responsável pelo acidente, e conseguiu celebrar um acordo para o pagamento de um adiantamento. Quem perdeu casa recebeu R$20 mil e quem perdeu moradia de fim de semana R$10 mil. “Quando uma pessoa sofre um dano, o caminho natural para a reparação é entrar com ação judicial e aguardar o julgamento. A indenização é paga após o trânsito em julgado. Para que as pessoas não esperassem tanto, nós negociamos o adiantamento. Mas é um valor parcial. E no final, quando for decidido o valor total, esses adiantamentos serão descontados”, explica o promotor Guilherme de Sá Meneguin. As famílias das 19 pessoas que morreram tiveram um adiantamento de R$100 mil.

As casas que serão construídas pela Samarco nos novos distritos também fazem parte da indenização. A previsão de entrega é a partir de 2018. “Mesmo com a reconstrução das comunidades nas novas áreas escolhidas, os atingidos não perdem o título de posse nos terrenos antigos”, acrescenta Meneguin.

Além do adiantamento das indenizações, a Samarco garantiu aos moradores o pagamento de aluguel em casas de Mariana e criou um cartão para concessão de um auxílio a todos os que perderam renda. O cálculo do total pago a cada beneficiado inclui um salário mínimo mais 20% para cada dependente, além do valor de uma cesta básica. Este auxílio se trata de um direito assistencial dos atingidos e não configura indenização.

 

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

04/11/2016- Mariana- MG, Brasil- Moradores atingidos pelo rompimento da barragem do Fundão ainda não sabem quando serão indenizados pela Samarco

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

04/11/2016- Mariana- MG, Brasil- Um ano após tragédia de Mariana, Samarco planeja reconstruir distritos em 2018.

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (18/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Roberto Franco/ UFMG (19/10/2016)

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Foto: Léo Rodrigues/ Agência Brasil

Deixe uma resposta

Top