You are here

Depressão Extratropical do Pacífico no Sul e Ciclone Tropical no Sudeste do Brasil

Segundo as modelagens, um novo sistema de baixa pressão se formou com 995 hPa (cavado invertido) estendido entre o norte do Paraguai ao oeste da Argentina, baixa do Chaco com eixo da Província de Santa Fé a Buenos Aires por influência de baixas pressões que atravessaram do Pacífico em direção aos Andes-Chile, dando origem a esta Depressão Extratropical entre os países vizinhos e os estados do Sul do Brasil e parte do Centro-Oeste criando as circunstâncias de chuvas pesadas para as regiões.

13-09-2016-00-baixa-pressao_09

13-09-2016-inpe-s11235909_09

Observa-se uma canal de umidade forte descendo da Amazônia em direção ao Sul e Sudeste do Brasil. Haverá muitas nuvens e ocorrerão pancadas de chuva localmente fortes entre o Oeste ao litoral Sul do RS que deverá atingir o centro e leste no período da noite. No oeste, centro, sul e norte do AM, norte de RO e em RR o dia será com nebulosidade variável com pancadas de chuva isoladas. O tempo será quente do Centro-Oeste ao Sudeste e grande parte da Região Sul e chances para tempestades no final da tarde.

13-09-2016-carta-sinoticas_09

Entre os dias 13 e 15/09, a Depressão Extratropical do Pacífico terá 973 à 981 hPa entre a costa da Argentina, Uruguai e RS com ventos acima de 150 km/h poderá ser muito concêntrico e causando linhas de instabilidades intensas talvez durante o anoitecer e risco para tempestades severas. O mar terá uma intensa ressaca de 4 a 6.00 metros entre o RS e SC. Em alto mar a Depressão poderá provocar ondas de 15 a 20 metros afastado da costa, segundo os modelos Windyty. Região Sudeste ondas de 3.00 a 6.00 metros na costa. Com a entrada da Lua cheia para o final de semana as condições no mar poderão ficar ainda mais agressivas.

13-09-2016-ciclone-ressaca_09

Nota-se um novo canal de umidade se formando por influência do Pacífico e da Amazônia sobre o Sul do Brasil no fim de semana que volta a criar as condições de “tempo severo” talvez associado as linhas de instabilidades como SCM (sistema convectivo mesoescala) ou CCM (complexo convectivo mesoescala) que poderão vir acompanhadas de chuva moderada à forte, descargas elétricas, vendavais de 100 km/h e eventual queda de granizo associado ao calor e umidade entre as regiões do Centro-Oeste, Sul do Brasil e Sudeste associado ao Ciclone tropical. No Domingo dia 18/09,  novas baixas pressões se formam na costa de SP, RJ, MG (arco-frente fria) e ES.

Existe algumas duvidas e divergências nos modelos GFS, GEM, JMA e Windyty com relação a quantidade de chuva e se realmente serão fortes sobre os estados mencionados. Mas se tratando deste tipo de sistemas, leva-se em consideração o histórico já existentes.

19-09-2016-tropical_09

Predições da semana:

Terça-feira 13/09 – A grande Depressão Extratropical puxa o ar muito quente para o RJ e podemos ter 40°C ou mais. Pequeno risco de baixas pressões, Ciclone ainda no Sul do Brasil;

Quarta-feira 14/09 – A frente fria pode chegar ao sul de SP, menores chances talvez para o RJ. O calor só piora e pode chegar aos 40°C. Entretanto, alguma umidade pode entrar e favorecer que “baixas pressões” se formem em áreas isoladas;

Quinta-feira 15/09 – A frente fria da Depressão Extratropical chega no RJ. O calor excessivo e as temperaturas deverão cair. Não se descarta a formação de “baixas pressões” vindas da Amazônia vinculada a frente fria intensa que avança para o mar;

Sexta-feira 16/09 – A Depressão Extratropical se afasta, linhas de instabilidades formam um corredor de umidade sobre o Sudeste poderá produzir áreas de instabilidade intensas sobre os estados. Não se descarta o risco de “baixas pressões” que aumentam significamente;

Sábado 17/09 – As áreas de instabilidades podem formar um centro convectivo que vai para o mar. A frente fria chega intensa no RJ causando chuvas fortes ou “baixas pressões” generalizadas. A temperatura finalmente volta a abaixar.

Domingo 18/09 – O Ciclone Tropical começa a formar aumentando os riscos de “baixas pressões” violentas na hora do encerramento das Paraolimpíadas. Existe risco de chuva forte, descargas elétricas e vendavais de 100 km/h. Não se descarta chances para a formação de linhas de instabilidades (LI).

Segunda-feira, 19 e 20/09 até as 1800 horas. O arco (frente fria) do Ciclone tropical avança e permanece chovendo devido aos ventos úmidos soprando do mar e calor volta gradativamente.

Colaboração do prof. Douglas V. O. Lessa Paleontólogo do Clima.

Fonte de pesquisa NOAA, GFS, GEM, Windyty, INPE, IPMET, INMET, Marinha do Brasil.

Deixe uma resposta

Top