You are here
Home > Notícias

Prefeitura de Curitiba distribui faixa refletivas para aumentar segurança de ciclista

Para aumentar a segurança dos ciclistas, a Prefeitura de Curitiba iniciou nesta semana a distribuição de um lote de 10 mil faixas refletivas, que podem ser colocadas no tornozelo, braço, mochila ou bicicleta e permitem a visualização a maiores distâncias de quem está pedalando pelas ruas da cidade.

A atividade faz parte do Programa de Proteção ao Ciclista desenvolvido pela Coordenação de Mobilidade Urbana da Secretaria Municipal de Trânsito (Setran), que realiza ações periódicas de orientação aos ciclistas e de conscientização de motoristas para maior respeito aos ciclistas no trânsito. Em 2015, foi distribuído o primeiro lote de 5 mil faixas refletivas.

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- Para aumentar a segurança dos ciclistas, a Prefeitura de Curitiba iniciou nesta semana a distribuição de um lote de 10 mil faixas refletivas, que podem ser colocadas no tornozelo, braço, mochila ou bicicleta e permitem a visualização a maiores distâncias de quem está pedalando pelas ruas da cidade.

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- A atividade faz parte do Programa de Proteção ao Ciclista desenvolvido pela Coordenação de Mobilidade Urbana da Secretaria Municipal de Trânsito (Setran), que realiza ações periódicas de orientação aos ciclistas e de conscientização de motoristas para maior respeito aos ciclistas no trânsito. Em 2015, foi distribuído o primeiro lote de 5 mil faixas refletivas.

 

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- “A faixa refletiva protege o ciclista e é um equipamento muito solicitado. O Programa de Proteção é mantido de forma permanente na Prefeitura. Nas abordagens, além das fitas, estamos entregando os Guias do Ciclista e também dando outras orientações sobre a segurança nas vias cicláveis, como não utilizar a via na contramão, não ficar sem sinalização de segurança e respeitar a sinalização de trânsito. Estamos constituindo a cultura de segurança no trânsito em caráter permanente, para uma cidade mais humana”, diz o coordenador de mobilidade urbana da Setran, Gustavo Garrett, que lembra que carrinheiros e pedestres também estão sendo abordados e recebendo o material de segurança quando solicitado.

 

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- A necessidade de maior segurança nas vias de Curitiba aumentou, pois muitas pessoas têm optado pela bicicleta para fazer deslocamentos na cidade, aumentando o fluxo de ciclistas nas ciclovias, ciclorrotas e ciclofaixas. “Faz três anos que ando de bicicleta e alguns amigos também estão optando pela bicicleta. Vendi meu carro e agora a utilizo nos meus deslocamentos. Vou utilizar a faixa refletiva, pois todo equipamento que seja utilizado para nossa segurança é importante”, afirma a professora Andressa Teixeira, da Escola Municipal Vila Torres, que recebeu o equipamento de segurança em uma abordagem da Setran realizada nesta segunda-feira (20) na Rua Conselheiro Laurindo.

 

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- O mecânico Laércio Lopes lembra que usa a bicicleta há 20 anos para se deslocar pela cidade. “Para mim, é mais econômico que usar o carro ou transporte coletivo. No trabalho, utilizo a bicicleta para ir do Parolin até o Rebouças, e no geral, o caminho é possível, só faltam alguns trechos de ciclovia. A faixa refletiva é legal e com ela podemos ser melhor identificados nas ruas, principalmente à noite”, confirma.

Foto: Everson Bressan/ SMCS

Foto: Everson Bressan/ SMCS

21/06/2016- Curitiba- PR, Brasil- “Faz um ano e meio que comecei a utilizar a bicicleta para trabalhar, pois me cansei de ficar sempre no trânsito da cidade, que está muito complicado, e resolvi deixar o carro em casa. É importante usarmos a faixa refletiva, pois o ciclista tem que se precaver usando todos os itens de segurança”, diz Adinam Assunção, que trabalha no Ibama.

Deixe uma resposta

Top