You are here

Consequências do sismo e tsunami no Sendai-Japão em 2011

Fatos sobre o Tsunami de 2011 que talvez você não saiba. Consequências do terremoto para o Planeta.

2011Sendai-NOAA

 

 

Passou-se 4 anos desde que ocorreu o terremoto na costa do Pacífico em Tohoku, no Japão, em 11 de março de 2011. Com magnitude de 9.0, o terremoto causou muitas mortes, destruição e conseguiu ainda por cima, abalar as estruturas do planeta Terra. É considerado o maior terremoto do Japão e o quinto maior do planeta.

O terremoto desencadeou um poderoso tsunami com ondas que atingiram alturas de até 40,5 metros em Miyako e Iwate. Segundo a Agência Nacional de Polícia, foram 15.884 mortes, 6.147 feridos e 2.636 pessoas desaparecidas. Nem é preciso dizer que o desastre trouxe consequências graves para o Japão, incluindo uma crise nuclear.

Mas você sabia que o impacto do grande terremoto e tsunami do Japão também trouxe consequências ao Planeta? Pois é, chegou inclusive a deslocar o planeta de sua órbita, mesmo sendo um deslocamento mínimo. Com a mudança em seu eixo de rotação, os dias na Terra ficaram um milionésimo de segundo mais curtos.
Impacto do terremoto sobre o planeta

Impacto do Terremoto e Tsunami para o planeta

Em relação ao planeta

Deslocou o eixo da Terra. O impacto do terremoto foi tão grande que deslocou a Terra (entre 10 cm e 25 cm) sobre seu eixo de rotação e mudou a forma como a massa do planeta é distribuída.

Encurtou os dias

A velocidade de rotação da Terra aumentou, encurtando o dia em 1,8 microssegundos (1 milionésimo de segundo).

Poder de destruição

Segundo especialistas, o tremor teve o impacto similar ao de 27 mil bombas atômicas para o planeta.

Aumento de abalos sísmicos

Mais de 1.000 tremores secundários atingiram o Japão desde o terremoto, o maior de magnitude 7,9.

Declínio da costa japonesa

Cerca de 400 km da costa norte de Honshu teve o declínio de 0,6 metros.

Deslocamento da ilha

O impacto deslocou a ilha principal de Honshu 2,4 metros para o leste.

Placas tectônicas

A Placa do Pacífico deslizou 24 m para o oeste, indo para mais perto do epicentro.

Infra-sons captadas por satélite

O terremoto produziu um ruído de baixa frequência chamado de infra-sons, que viajou para o espaço e foi detectado pelo satélite Goce.
Em relação ao meio ambiente

No Oceano Pacífico

O tsunami matou mais de 110 mil aves marinhas, enquanto atravessava o Oceano Pacífico e também transportou milhares de toneladas de detritos para o mar. Mesmo depois de 3 anos, escombros continuam a chegar nas praias costeiras da América do Norte e Canadá como barcos, navios, móveis de madeira e plástico.

Ilha artificial de detritos

Os destroços do tsunami que vagam pelo oceano (cerca de 1,5 milhão de toneladas) formaram uma ilha gigante e compacta de detritos. A ilha tem quase o tamanho da França (cerca de 700 mil km²) e foi batizada de “51º Estado americano” por estar bem próxima (cerca de 2.700 quilômetros) da costa oeste norte-americana.

Perigo ambiental

Junto com a ilha de detritos, viajam também pelo menos 165 espécies de seres vivos (a maior parte deles de tamanho microscópico) que não existem nos EUA. Segundo pesquisadores, estes seres são uma grande ameaça ao equilíbrio ambiental do país.
Em relação a outros locais do planeta

Na Antártida

As ondas sísmicas do terremoto sacudiu, deslocou por 0,5 metros e causou rupturas no iceberg Whillans Ice Stream, na Antártida. Também causou rupturas no iceberg Sulzberger, distante 13 mil km do epicentro.

No Chile

As ondas do tsunami também viajaram através do Pacífico, atingindo o Alasca, Havaí e Chile. No Chile, 17 mil quilômetros distantes do Japão, as ondas chegaram à costa com cerca de 3 metros de altura e destruíram mais de 200 casas.

Na Noruega

Os efeitos do grande terremoto foram sentidos em todo o mundo, até mesmo nas águas calmas dos fiordes noruegueses, a mais de 8 mil km do epicentro, que registrou ondas de 1,5 metros, cerca de 30 minutos após o grande sismo.

Realmente são fatos surpreendentes não acham?
Se achou interessante, comente e compartilhe!

Créditos por Katia Oliveira, Caçadores de Tempestades.

Deixe uma resposta

Top