You are here

Anomalia do Atlântico Sul muda a paisagem no Sudeste

 

Total_Magnetic_Field_for_2000

 

A Anomalia Magnética do Atlântico Sul, AMAS ou SAA (do inglês,South Atlantic Anomaly) é uma região onde a parte mais interna do cinturão de Van Allen tem a máxima aproximação com a superfície da Terra. O resultado é que para uma dada altitude, a intensidade de radiação é mais alta nesta região do que em qualquer outra.

A AMAS é produzida por um “mergulho” no campo magnético terrestrenesta região, causada pelo facto de que o centro do campo magnético terrestre esta deslocado em relação ao centro geográfico por 450 km.

A anomalia do Atlântico Sul afeta satélites e outras espaçonaves com órbitas a algumas centenas de quilômetros de altitude e com inclinações orbitais entre 35° e 60°. Nessas órbitas, os satélites passam periodicamente pela AMAS, ficando expostos durante vários minutos às fortes radiações que ali existem. A International Space Station, orbitando com uma inclinação de 51,6 °, necessitou de um revestimento especial para lidar com o problema. O Hubble Space Telescope não faz observações enquanto está passando pela região.

A AMAS sofre um deslocamento para a direção oeste, cuja velocidade de deslocamento é de 0,3 ° por ano. A taxa de deslocamento é muito próxima da rotação diferencial entre o núcleo da Terra e sua superfície, estimada estar entre 0,3 ° e 0,5 ° por ano.

Segundo as informações, essa anomalia como é chamada, anda provocando um bloqueio atmosférico na região Sudeste. E com isso talvez tenha criado um novo sistema como é conhecido de (compressão adiabática).

Fotos do Satélite RAMMB.

AR SECO RAMMB 14-01-2015_01

O termo Compressão Adiabática é utilizado frequentemente pela Meteorologia para explicar por que não há troca de calor. Adiabático, do grego adiabatos (impenetrável), diz se do sistema que esteja isolado de quaisquer trocas de calor ou matéria com um meio externo. É uma qualidade relativa à fronteira que delimita e determina o que vem a ser um sistema físico e por conseguinte. Uma fronteira adiabática isola completamente o sistema de sua vizinhança no que tange a troca de matéria ou ao calor.

O fenômeno climático ocorre quando na atmosfera terrestre no qual uma parcela de ar aquecido, é forçada a subir por convecção, se expande devido à diminuição da pressão atmosférica com a altitude, e se esfria devido a esta expansão (resfriamento adiabático e Vento Foehn). Inversamente, são processos muito lentos, em que a temperatura do sistema permanece constante pela troca de calor com o ambiente, podem ser tratados como processos isotérmicos.

Fotos do Satélite INPE de 14-01-2015

INPE 14-01-2015 mapservUm extremo oposto—permite transferência de calor com ambiente, fazendo com que a temperatura permaneça constante—é conhecido como um processo isotérmico. Como a temperatura é termodinamicamente conjugada à entropia, o processo isotérmico é conjugado ao processo isentrópico, e portanto a um processo adiabático reversível.

Uma curva adiabática é a representação da relação existente entre os valores de grandezas como pressão, volume e temperatura assumidos para o sistema que, sofrendo transformações, vai de um estado inicial para um estado final, mantidas as condições de que não haja troca de calor ou matéria com o meio circunvizinho na passagem de um estado ao outro.

Fonte: Serginho Bloomfield e NASA.

One thought on “Anomalia do Atlântico Sul muda a paisagem no Sudeste

Deixe uma resposta

Top