You are here
Home > Esporte

Argentino vence e conquista título da GP Light no Brasileiro de Motovelocidade

Nicolas Tortone domina etapa decisiva na pista de Cascavel e dá à Yamaha seu primeiro título no Moto 1000 GP
O Autódromo Internacional Zilmar Beux, em Cascavel (PR), passou a ser neste domingo (14) o preferido do argentino Nicolar Tortone. Foi o palco da segunda vitória do piloto da MGBikes Yamaha Racing na categoria GP Light do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, que valeu-lhe o título do Moto 1000 GP. A primeira vitória de Tortone na motovelocidade do Brasil havia acontecido também em Cascavel, na quarta etapa da temporada.
A torcida cascavelense viu quatro pilotos alinharem suas motos no grid do GP Petrobras, oitava e última etapa da temporada, considerando a chance de conquista do título. O líder do campeonato até então era o paulista Rodrigo de Benedictis, da Motonil Motors-PDV Brasil, que cruzou a linha de chegada em terceiro e ficou com o vice-campeonato – o segundo na prova foi o também paulista Lucas Teodoro, da BMW Motorrad Alex Barros Racing.
Henrique Castro, brasiliense que defende a City Service BSB Motor Racing, era outro candidato ao título. Terminou a prova em 12º lugar e ficou em terceiro na pontuação final. O também brasiliense Ian Testa, companheiro de equipe de Benedictis, manteve o quarto lugar na classificação final da GP Light depois de uma queda na primeira volta após a primeira largada – o acidente o impediu de estar no grid da largada definitiva do GP Petrobras.
“Foi meu melhor fim de semana no ano, tanto em concentração quanto no acerto da moto”, exultou o argentino, após a conquista do título brasileiro. “Foi uma decisão incrível para mim e para a equipe. Chegamos a acreditar que não teríamos chance. Espero que a conquista ajude a equipe a conquistar mais patrocinadores, mas sei que essa vitória e esse título vão repercutir bastante e difundir ainda mais o Moto 1000 GP na Argentina”, falou.
Benedictis, vice-campeão, reconheceu a condição difícil de defender a liderança do campeonato. “A gente não mereceu. Eu não quis arriscar. Forcei até onde deu, mas quando vi que a moto começou a escorregar, com o pneu já desgastado, preferi poupar a ter o braço engessado ou qualquer coisa assim”, falou o paulista da Motonil Motors-PDV Brasil. “Foi uma corrida difícil, a pista fazia a gente escorregar. O Tortone pilotou muito, mereceu ficar com o título”.
O segundo lugar no GP Petrobras permitiu a Teodoro assumir o quarto lugar na classificação final do Moto 1000 GP. “Essa aqui é uma pista que cansa muito, na maioria das curvas o piloto anda pendurado na moto. Fiquei muito feliz. No começo, até tentei acompanhar, aí comecei a cansar”, contou o piloto da BMW Motorrad Alex Barros Racing, enaltecendo a vitória de Tortone. “Ele andou muito, teve um primeiro lugar merecido”, reconheceu.
A CORRIDA
Dada a largada, Nicolas Tortone e Lucas Teodoro mantiveram as duas primeiras posições que conquistaram no treino classificatório. Alen Modesto, o terceiro no grid, perdeu posições. Ainda antes do complemento da primeira volta a prova foi interrompida com bandeira vermelha. Ian Testa, um dos quatro candidatos ao título, caiu ao fim do Retão. Carlos Barcelos e Maurício Paludete sofreram quedas no mesmo ponto.
Os três acidentes quase simultâneos tiveram como em ponto comum o amortecimento de todas as motos desgovernadas pelo Airfence, dispositivo de segurança utilizado com exclusividade na motovelocidade nacional pelo Moto 1000 GP e que consiste em estruturas infláveis instaladas junto das barreiras de proteção. A interrupção antes da terceira volta fez a etapa retomar seu grid original, conforme prevê o regulamento.
Testa, Paludete e Barcelos não integraram a largada definitiva. Tortone obteve vantagem ainda maior sobre Teodoro, que buscou reaproximação ainda na primeira volta para assumir a liderança no Retão. Líder da temporada, Rodrigo de Benedictis saltou do sexto lugar no grid para o terceiro na pista e, no complemento da segunda volta, já pressionava o argentino, seu adversário direto na disputa pelo título e vice-líder da etapa.
Juracy Rodrigues, já tendo assinalado a volta mais rápida da corrida, passou a integrar a disputa pela vitória – os quatro primeiros na prova estavam separados entre si por menos de um segundo. Tortone ultrapassou Teodoro na saída da curva de acesso ao Retão e reassumiu a liderança na quarta volta. Na quinta, Rodrigues sofreu uma queda na curva 5, onde buscava ultrapassagem sobre Benedictis, e abandonou a corrida.
O GP Petrobras tinha oito voltas completadas quando Teodoro voltou a intensificar sua pressão sobre o líder argentino. Com a eventual ultrapassagem haveria empate em pontos entre Tortone e Benedictis e, como a bonificação de um ponto pela volta mais rápida pertencia a Rodrigues, o brasileiro teria o título assegurado no critério de desempates – que seriam seus dois quartos lugares, diante do projetado empate em vitórias, segundos e terceiros lugares.
Depois de dez voltas, enquanto Teodoro mantinha-se a menos de dois décimos de segundo do líder, Marcelo Dahmer, Diogo Ramos, Davi Lara Costa e Marcelo Skaf formavam um pelotão único na disputa pela quarta posição. A nova ultrapassagem de Teodoro sobre Tortone aconteceu no complemento da 12ª volta, situação que submetia os dois primeiros colocados no campeonato aos critérios de desempate para definição do título.
Benedictis, em terceiro na corrida, tinha mais de dois segundos e meio de desvantagem em relação aos dois primeiros colocados, que deram início a uma sequência de revezamento na primeira posição. A quatro voltas do fim da corrida, Tortone administrava a liderança com dois segundos de vantagem para Teodoro e de mais de cinco segundos em relação a Benedictis. Na penúltima volta, assumiu a bonificação pela melhor volta da etapa.
Tortone recebeu a bandeirada da segunda vitória no Moto 1000 GP quatro segundos à frente de Teodoro. Benedictis, o terceiro, terminou a corrida quase quatro segundos atrás do vencedor. A equipe MGBikes Yamaha Racing comemorou a vitória e o título com fogos de artifício nos boxes de Cascavel. O título de Tortone foi o primeiro de um piloto de moto Yamaha no Moto 1000 GP, que encerrou em Cascavel a quarta temporada de sua história.
MOTO 1000 GP – GP PETROBRAS – CATEGORIA GP LIGHT
(Classificação final em Cascavel após 20 voltas)
1º) Nicolas Tortone (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, 22min04s793
2º) Lucas Teodoro (SP/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, a 4s058
3º) Rodrigo de Benedictis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 6s978
4º) Marcelo Dahmer (RS/Honda), K Racing, a 25s175
5º) Diogo Ramos (SC/Kawasaki), Carlos Barcelos, a 27s427
6º) Davi Costa (SP/Kawsaki), JC Racing Team, a 32s001
7º) Waguinho Duarte (CE/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, a 33s266
8º) Marcelo Skaf (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 33s831
9º) Marcos Prata (BA/Kawasaki), MR Lekhwiya Racing Team, a 46s829
10º) Fernando Neiva (PR/BMW), Black Day Racing Team, a 48s200
11º) Alen Modesto (BA/Kawasaki), Aclat Racing, a 50s364
12º) Henrique Castro (DF/Kawasaki), City Service BSB Motor Racing, a 57s517
13º) Marcello Souza (SP/Kawasaki), JC Racing Team, a 59s999
14º) Edson Luiz (SC/Kawasaki), Aclat Racing, a 1min06s861
15º) Sérgio Prates (SP/Kawasaki), JC Racing Team, a 1 volta
16º) Bruno Teixeira (MG/Yamaha), Carlos Barcelos, a 1 volta
NÃO COMPLETOU
Juracy “Black” Rodrigues (PR/Kawasaki), Black Day Racing Team, a 
NÃO LARGARAM
Ian Testa (DF/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil
Maurício Paludete (SP/BMW), Sport Plus Racing
Carlos Barcelos (RS/Suzuki), Carlos Barcelos
Melhor volta: Tortone, na 19ª, 1min05s369, média de 168,410 km/h
CLASSIFICAÇÃO
Já computado o descarte obrigatório de um resultado por piloto durante a temporada, a classificação final da categoria GP Light no Moto 1000 GP é a seguinte: 1º) Tortone, 126 pontos; 2º) Benedictis, 120; 3º) Castro, 102; 4º) Teodoro, 98; 5º) Testa, 92; 6º) Adas, 65; 7º) Bertagnolli, 56; 8º) Rodrigues, 53; 9º) Costa, 45; 10º) Souza e Modesto, 35; 12º) Skaf, 33; 13º) Neiva, 32; 14º) Cortes, 28; 15º) Ramos, 25; 16º) Herrera e Barata, 17; 18º) Barcelos, 15; 19º) Luiz, 10; 20º) Bezerra, 6; 21º) A. Silva e Cabral, 5; 23º) Prates, 4; 24º) F. Silva e Campos, 2; 26º) Teixeira e Levy, 1.

Foto: Gilmar Rose/ Equipe Sanderson/Grelak Comunicação

Deixe uma resposta

Top